24 de out de 2009

cadernos esquecidos

Traçamos nossos desenhos
E construímos nossos espaços.
Regemos nossos músicos
E dançamos sem ritmo.
Eis que surgimos das cinzas
E para lá voltaremos.


Passamos por nossos caminhos
E não nos perguntamos
Se estávamos corretos.
Eis que chegou o fim.
Antes do próximo nascimento
Símbolos ocultos se revelaram.

Fechamos nossos semáforos
E não paramos de caminhar
Eis que sofremos um acidente!
Percursos tortuosos...
Abismos e curvas...
A vida não mudou!

Chegamos ao grande portal
Sem limites para passar.
Mas nossos cadernos esquecidos
Revelaram nosso passado
Eis que emergiu uma força
Que nos fez parar
A morte chegou.

Eis que tudo não passou
De uma grande poesia!

sandrio cândido.

Um comentário:

Raquel Costa disse...

Gostei muito das suas poesias, principalmente dessa!
"Traçamos nossos desenhos
E construímos nossos espaços.
Regemos nossos músicos
E dançamos sem ritmo.
Eis que surgimos das cinzas
E para lá voltaremos. "

Isso ta lindo!
Beijos