13 de dez de 2009

Inverno!

Vivo no agora de muitos tempos
O presente de muitos futuros!
Navego pelo mar da solidão
Em busca do porto da felicidade
Mas só encontro o cais da ilusão.

Ouço o som das palavras
Que mesmo nunca ditas
Soam sob o véu da escuridão.

No casto pensamento poético
Escrevo o que foi escrito
Pelas mãos calejadas
De um solitário errante.

Avante!
A liberdade almejada
Sempre está na próxima esquina.

sandrio cândido.

Nenhum comentário: