20 de dez de 2009

sob os pés da bailarina.

Dura o instante em que a lótus
Permanece em teu jardim
Mas será eterno em meu existir!

Sob a chuva de abril
Entre as rosas vermelhas
Nossos corpos despidos
Entrelaçar-se-ao no ar.
E nossas almas unidas
Será como o mar o rio...

Dura o instante em que a lótus
Permanece em tua casa
Mas será eterna em minha vida!

No ritmo do tango e do jazz
Com seus pés! Doce bailarina
Tocando todo o meu corpo
Suavemente como a aurora
Poético como a vida...

Dura apenas um instante
O mesmo em que a lótus
Permanece junto à bailarina
Mas será eterno em minha vida.

sandrio cândido.

3 comentários:

jorge manuel brasil mesquita disse...

Votos de um feliz Natal.
Obrigado por ser meu visitante.

Jorge Brasil Mesquita
www.fisgasdotempo.blogspot.com

Flávia Diniz. disse...

' a solidão e algo bom e melhor ainda é saber conviver com ela'


Eu tenho que aprender a conviver com ela... já dizia Caio Fernando de Abreu " sossega o amor não é pro teu bico"


Beijooos,querido =*

Poeta do Penedo disse...

de poeta para poeta, apenas com a diferença do local em que se o é- obrigado pela visita meu jovem amigo.
Penso que o que publica tem muita substância. Amadurecemos esta ideia. Terei atençaõ ao seu blogue.
Briosas saudações