24 de dez de 2009

Sonhar na noite de natal!




Esta noite e para os abraços!
Posso ver no horizonte
O amanhã de novos tempos
De futuros agora incertos
Mas de futuros sonhados.

Cai a chuva de luzes verdes
Sobre o escuro das almas errantes
E baila no ar uma magnólia
Longe baila com a bailarina,
Anunciando em seus gestos
Que amanhece em nossas vidas.


É tempo de iniciar a caminhada
Para o mundo que na mente criamos
Para este sonho que sonhamos...
É preciso recomeçar a vida!

Vejo que nascem novas crianças
E adormece outros humanos
Mas continuamos a viver,
Porque viver e sempre continuar
A poesia do existir!


E nos rostos de homens cansados
De mães que choram pelos filhos
De filhos em busca do sonho
De poetas solitários e de filósofos
De padres, pastores e místicos
Enxergo a poesia da existência.

E vejo um lírio do campo
E uma linda rosa vermelha
Romper o asfalto quente
Das cidades cinza!

Posso ver no horizonte azul
A amanhecer da liberdade
E posso ver que todos
Não clamam por liberdade
Mas dizem em coro uníssono:
Enfim a liberdade chegou!

Posso ver que este é um sonho
De um poeta amador... Mas talvez
Seja este o sonho de todos aqueles
Que neste momento se abraçam
Porque esta noite é para os abraços!

2 comentários:

Manuel Cardoso disse...

Feliz Natal e que a poesia da existência continue a iluminar as nossas árvores :)

Poeta do Penedo disse...

quando conseguirmos fazer com que todas as noites sejam para os abraços, como foi esta, estaremos então no caminho certo para uma existência feliz.
Continuação de boas festas.