12 de jan de 2010

Ainda sou jovem!

Sou demasiado jovem para fazer algumas reflexões, alguns fatos somente o tempo nos traz a compreensão necessária, por isso vejo em certos instantes que o tempo demorado ainda não passou por mim suficientemente e talvez jamais eu passe o bastante por ele para chegar as certezas do mundo...demasiado jovem porem não um ser estático, que espera chegar o tempo de fazer algo para mudar a vida, até mesmo porque não pretendo mudar o mundo quero apenas deixar que alguns possam ler e talvez pensar sobre o que escrevo, deixar que muitos da minha geração descrente não caia no esquecimento de falecidos heróis, mas que possam ser vistos nas auroras da minha são Paulo como pessoas que fizeram algo....meus pensamentos não são meus, quero antes que eles sejam das nações que pregam a paz...espero que algumas palavras que por meu ser passaram e se transformaram em poemas possam fazer nascer a semente da descoberta e do intercâmbio, da troca de opiniões entre outros, quanto a meu ser, sei que sou jovem e por isso continuarei a percorrer este longo e suado caminho da vida...outros por ai estão como eu e alguns dos que hoje moldam a sociedade talvez tambem tenha sido demasiado jovems.
poeta do inverno.

9 comentários:

Hosana Lemos disse...

existem coisas que realemnte somos jovens apra compreender, outras porém aprendi antes da idade devida!
;)

belo texto.
beijos

Poeta do Penedo disse...

Caro poeta do inverno
belíssimo texto.
Meu caro amigo, deixe que lhe apresente um jovem, como você, que também luta diariamente para tentar modificar o mundo. Ele não está longe (na blogoesfera). No meu blogue pode encontrá-lo no blogue 3vial.
Fosse toda a sua geração como você é, e a humanidade tinha o futuro muito bem garantido.
Quando a humildade vive numa mente robusta, faz emergir homens grandes. Você é feito dessa massa. Quase tem vergonha do talento que em si lateja.
O futuro precisa de si.
Deste seu amigo lusitano um forte abraço.

poeta do inverno disse...

obrigado caro poetado penedo, não sei como falar sobre a inquietação dos jovens de hoje, alguns não se sastifazem apenas com o perguntar e logo tentam dar respostas, não sei se as respotas são tão rapidas, sei que preciso as vezes descobrir, mas tambem as vezes a luta faz se necessariae a escuridão revela o saber , não sei se o mundo preciso de pessoas como eu mas sei que ele precisa de pessoas que lutem de alguma forma, sejam com a arte, na poesia, ou na religião.

obrigado por compartilhar comigo as palavras e vou agora mesmo ver o blog indicado.

poeta do inverno disse...

obrigado hosana.

Flávia Diniz. disse...

Texto lindo.


Beijos.

Li... disse...

É, também me acho jovem demais para concluir qualquer coisa sobre a vida, mas acho realmente que isso nunca vai mudar, provavelmente nunca vou me achar madura o suficiente para compreender a vida.

poeta do inverno disse...

talvez seja esta uma parte interessante da vida e muito sarcastica da vida li.

MM disse...

Caro Poeta do Inverno,

Deixe-me apresentar-me: sou o jovem do blogue 3vial de quem o Poeta do Penedo lhe falou no comentário acima.

Desde já lhe agradeço a visita ao meu blogue, a qual motivou a descoberta deste seu espaço.

Permita-me também que elogie o amigo Poeta do Penedo pela refêrencia ao meu nome e por me ter em boa conta: trata-se de um cavalheiro que muito tem contribuído para o desenvolvimento das minhas ideias.

Regressando novamente a si e a este texto, decidi comentá-lo porque o tema me chamou particular atenção. Sabe porquê? Porque também eu já fui visitado pela mesma questão e dúvida, e nessa altura escrevi um texto que designei por "Sobre a escrita experiente". Se tiver a oportunidade de o ler, poderá verificar que partilho consigo a preocupação expressa neste texto seu.

Atentamente,

Marcelo Melo
www.3vial.blogspot.com

PS: Sobre a escrita inexperiente - http://3vial.blogspot.com/2007/07/sobre-escrita-inexperiente.html

poeta do inverno. disse...

marcelo, prazer em te conhecer, ainda que apenas pelo blog e pela escrita, tenho que compartilhar contigo a opinião revelada no texto que me indicou.
obrigado.