17 de jan de 2010

Aquela criança.

Aquela criança cantou
Mas seu canto não chegou
Aos ouvidos dos homens...
Seu cantar também regressou
Ao templo das horas vividas.

Foi de todo magnífico e sublime!
Era o cantar da liberdade assistida
Entre as vielas de sua vida...
Era seu cantar, a prece da cidade
Que fez sua voz se calar...

Na madrugada de Abril,
Ouviu se um forte grito
E o poeta não escreveu
Porque ouviu o ultimo cantar
De uma criança livre...

Uma mãe caiu de joelhos na rua
Ao ver seu filho falecer...


Homens de preto e cinza
Cantaram o hino nacional.
Mas nunca mais se ouviu
Um cantar que fosse igual
Ao belo cantar da criança!

Porque seu cantar foi livre
E livre ele venceu o medo.

Hoje ao falar na liberdade
O poeta para e ouve novamente
O cantar infantil sobre a cidade.

sandrio cândido.

6 comentários:

Poeta do Penedo disse...

caro poeta do inverno
Em Abril, num Portugal transformado num imenso jardim de cravos vermelhos, como essa, muitas outras crianças cantaram, muitas vozes se elevaram, enquanto os olhos choravam de emoção, a balada da liberdade- Grândola Vila Morena.
Agradecido e enternecido por este belo poema, que me tocou, porque me falou do momento em que a liberdade, também a mim, também eu quase criança, me devorou a mente, o coração e a alma.
Com amizade, um forte abraço deste português de Abril.

Varda disse...

Crianças apesar de serem pregas elas simplesmente tem AQUILO!!

Chris disse...

O cantar duma criança, em Abril...
muito é o sentido das tuas palavras.
Um abraço
Chris

poeta do inverno. disse...

caro poeta do penedo é bom saber que este poema te tocou porque tambem falou de portugal, ainda que sem a intençaõ é bom saber...quanto a criança vejo que hoje ela canta no brasil em cidades violentas como o rio de janeiro e nas guerras do mundo(israel e palestina et) espero que um dia estas crianças tambem possam ser como você.

Hosana Lemos disse...

da triste realidade...
da dor de perder alguém, do canto infantil que não mais retornará.

...

poeta do inverno. disse...

hosana e este é para mim um dilema pois acabo de permitir que a minha criança se esconda para permitir nasca umjovem em mim.