4 de fev de 2010

Ausente

Basta-me um beijo
Mas nunca me permitir.

Foi melhor guardar no esquecimento
E assim continuar a vida.
Haverá novas rosas amanhã
Haverá novos sonhos amanhã.

Temo saber que tu não existes.


Algo me espera alem deste corpo.
Um longínquo pensamento nasce
Uma rosa fura o asfalto quente
Uma face mostra-se novamente.

Perder-te na memória do tempo
Deixar-te nas paredes de um convento.

Basta me repetir aquele código
Mas possuir-te será amor?
Quantos lábios se tocaram
E jamais se perdoaram...

Compartilhar o sono eterno
Compartilhar a vida e os sonhos
Permitir que trilhe outro caminho
Permitir que na ausência me ame.

sandrio cândido.

Um comentário:

Priscila Rôde disse...

Renascer,
é uma escolha.
Novas rosas nascerão sim!

Belo.