21 de mar de 2010

Virgem.



Olhe para as águas do rio
Espelho dos anos vividos
Más hoje já não é nítido
O reflexo do teu rosto
que leva as sombras do tempo.

Teus lábios vermelhos molhados
Toque divino de Afrodite
Teus lábios nus como a rosa
Teus lábios permaneceram iguais
Aos que outrora eu beijei.

Tua alma sempre dura
Pedra mística para o profeta
Guarda a mesma essência de antes
Nada mudou dentro do teu ser.

Apenas teu corpo profano
Trocou a vestimenta da vida
E guardou o sinal dos anos
Em cada fragmento manchado
Pelo suor do destino...

Teus olhos ainda brilham
Mas tuas mãos já não bailam
Na trajetória da existência
Perdeste tua melhor face.

Mas todo aquele sentimento
Jamais refletido por espelhos
Ainda permanecem guardados
Ainda permanecem intocáveis.



Sandrio cândido.

8 comentários:

Juliana Lira disse...

Sandrio

Deixo aqui minha admiração por essa doce obra!Que dissertar perfeito de como apesar dos anos a essência do ser amado permanece a mesma!

Tenho certeza que se fechar os olhos a mesma imagem teima em preencer os pensamentos, deve ser porque o amor não invelhece, não adoece, não morre...

Que permaneça sempre intocável, inabalável esse encanto celestial.

Milhões de beijos

poeta do inverno. disse...

juliana querida , é como eu disse "o amor não nasce, não morre, apenas se revela e se esconde na espera de outro despertar"


muito obrigado pelo carinho, saudações.

Taninha Nascimento disse...

Olá, poeta.

Vim apreciar teu espaço e dizer que tens muito bom gosto e sensibilidade.

"Virgem" é poeticamente mais uma das provas de que o "amor não acaba" - como bem disse Jesus Cristo.

Bjs,

Bravo!

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá.

Vim conhecer o seu espaço
de idéias e sentimentos.
Encontro nesta primeira visita
palavras simples mais
carregadas de essências.

Espaços assim se justificam
pela ternura que inspiram.

Que tragas sempre a magia do sonhar.

Mari Amorim disse...

Amigo Sandrio,
Obrigada pelo carinho,desejo a vc e familia uma Feliz Páscoa,que suas esperanças sejam renovadas.
Boas energias
Mari

Poeta do Penedo disse...

Caro poeta do inverno
Este belíssimo poema foi feito por um jovem, que pressente que um grande amor se mantém vivo ao fim de uma vida. Eu, leitor deste poema, que subo montes e vales há mais de meio século, lhe garanto, que a um grande amor é isto mesmo que acontece. O tempo não apaga a chama. Qualquer rio do mundo me dará por reflexo o saboroso rosto da partilha de toda uma vida.
Parabéns. Que a musa nunca lhe falte, meu amigo.
Com amizade.

Versi D'Amori disse...

Belíssimo verso e postagem!!

"A Páscoa não é apenas um momento de reflexão, mas de renovação, da fé, dos costumes, de nossas atitudes diante do universo que nos rodeia."

Boa Páscoa!!

Beijos,

Reggina Moon

Os brejos ao redor de minha alma agreste... disse...

amei querido, este poema é d+!
e mto obgada pela visita e pelas sábias palavras lá nos Brejos.
saudações!