6 de jun de 2010

poema n° 1.

Olha-me com olhos de criança
Porque a solidão que me recolhe
E a mesma que sentes o menino
Que eu abandonei na infância.

Ele ainda mora em meu ser
Como deve ser triste para ele
Ver o adulto que me tornei
Deve ser um olhar de pedra.

sandrio cândido.

5 comentários:

Lara Amaral disse...

Às vezes penso o tanto que não abafamos a criança dentro da gente.

Lindo poema! De uma sensibilidade...

Beijo.

Janita disse...

Todo o adulto ainda guarda em si um pouco da criança que foi um dia.
É esse lado inocente, que lhe dá a sensibilidade, a boa fé e a candura
que o torna no ser humano perfeito.

JANITA

mARa disse...

...deixar a criança dentro de Nós Viva é ser feliz com pequenas bobagens...coisa de criança...

Besitos!

Paz y Luz!

A VIDA DAS ROSAS disse...

belissimo poema!!
deixo pra vc um olhar adulto...
Olha-me com olhar da alma,
Fala-me de amor
Conte-me do seu sorriso
Vem...
Deixa-me sentir o seu abraço,
Deixa-me aquecer no seu calor,
Sentir o toque dos teus lábios
Saborear o seu amor.
Abraços GUI.

Juliana Carla disse...

Sandrio,

Destaco este trecho:

“Ver o adulto que me tornei
Deve ser um olhar de pedra.”

Quando crescemos perdemos tanto... O olhar inocente faz falta em alguns momentos.

Bjuxxx e xerooo amigo.