14 de jul de 2010

o poeta e o silêncio.

PARA LARA AMARAL.


. "Leu só por desencargo de consciência, saberia mais ou menos o que estaria escrito: coisas que ficaram por fazer, por decidir, por sentir... coisas árduas demais de se verbalizar, e que só surtiam efeito por estarem impressas ali... "
lara amaral no blog teatro da vida.




Esquiva-se do tumulto das vozes
Almeja o silêncio
Grafia da solidão.
Como uma oração rezada
No interior do sacrário
Lá fora as vozes louvam alguém.

Emerge das cinzas
Dos espelhos fragmentados
O reflexo de si próprio
Palavra de pedra
De flor
Palavra que foi sentimento.

Estranha cenografia da vida
Tecida sobre telas invisíveis
Torna se visível depois de tecida
Mas nunca pode ser tocada
Fica para o passado
Para os olhos do poeta.

O poeta desnuda as vozes
Despe a cenografia
Cumpre seu papel no teatro
Escreve para despir
Porem se cobre de véus
Coleciona reticências.

O poeta se entrega ao êxtase
Chora a dor que é falsa
Porque sua dor verdadeira
É feita de silêncio
Da cenografia do silêncio.

sandrio cândido.

12 comentários:

Lara Amaral disse...

Ah, Sandrio, que poema mais lindo! Nem mereço tanto. Já já escolherei uma foto para colar seu poema e colocarei lá na minha galeria que tem do lado direito da minha página.
Um poema sensível; vc diz bastante de mim, do meu teatro.
Obrigada mesmo, querido.

Um beijo!

José Carlos Brandão disse...

Poesia é iluminação. Êxtase. Depois podemos ver a beleza da vida. Parabéns a você - e à Lara, que ganhou este presente lindo.
Abração.

Insana disse...

Sempre falo na dor que tenho no silêncio.

bjs
Insana

Mari Amorim disse...

Muito bonito,sentimento profundo,à flor da pele.
Boas energias,
Mari

Renata de Aragão Lopes disse...

Lindo presente para Lara!

Beijo,
Doce de Lira

Poeta do Penedo disse...

quantas vezes, o poeta, na solidão da sua luz, cria vidas que outros irão cantar, que ao cantá-las ganham fama, porque as palavras que não escreveu, mas que dá a conhecer, são sentimentos profundos aos bocados. Quem as canta ganha fama e fortuna. O poeta mantém-se imutável na solidão da sua luz, alheio ao reconhecimento que as suas palavras transmitem a outros... porque ser poeta é ser mais alto.
Um bom fim de semana meu caro amigo poeta do inverno.

Juliana Lira disse...

"O poeta desnuda as vozes
Despe a cenografia
Cumpre seu papel no teatro
Escreve para despir
Porem se cobre de véus
Coleciona reticências. "

Sim, o Pessoa já disse: "o poeta é um fingidor, finge tão completamente que finge que não é dor, a dor que deveras sente"

E mais uma vez estou aos teus pés!Perfeito...Alma e poesia

Milhões de beijos

Sandrio cândido. disse...

AS vezes no silêncio é que podemos comtempalr o que verdadeiramente precisamos, ainda que pouco nos reste alem de comtemplar...lara amaral é uma poetisa ou poeta que sempre acompanha a nossa solidão.

Dois Rios disse...

Belo, Sândrio!

Gostei muito do verso em que você disse que o poeta coleciona reticências. É uma grande e sensível observação. É justo nas reticências que os nossos sentimentos e emoções ganham asas.

Outro verso que me encantou foi o de que "o poeta chora a dor falsa porque a dor verdadeira é feita de silêncio." Eu achava que era assim também. Agora a certeza me chegou nos versos de um verdadeiro poeta.

Beijos encantados (como sempre!)
Inês

Sílc disse...

Gritaram altos os sentimento! Lindíssimo seu Poema! Como tantos de nós desejsríamos ser a Lara! Oração belísima... Parabéns!
Com amor e carinho,
Sílvia
PS.: Há novas Postagens minhas no meu Blog. Sinta-se bem vindo!
http://www.silviacostardi.com/

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog do Mar Íntimo. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Nadine Granad disse...

Conheço e passo a admirar cada vez mais Lara... de tantas homenagens mais do que merecidas que recebe ;)