15 de out de 2010

Busto do tempo.

Busquei por pedras e as encontrei.
Foi nelas que eu esculpir o busto
Da poesia que pensei construir
Mas a poesia fugiu ao meu ser.


A cidade agora é cinza, é cinza
A cidade que eu tentei construir.
A cor que eu pensei para ela
Era tão azul quanto o céu
Que encobre a face do meu Deus.


Trilhei uma trilha de espinhos
Porque as rosas eu guardei
No sepulcro de meus mortos.
Busquei a face de meus amigos,


Mas ao debruçar sobre a terra
Eu os sentir tocar meu corpo.
Notei que eles estavam mortos.
Com eles foi se o balé
Da minha juventude gloriosa.


Busquei por pedras nos jardins
Entre os lótus que tu plantaste
Mas as pedras inertes esperam
Cair a lagrima de Deus,
Pressagio da divina solidão.


Assim grafei meu poema
Diante das ultimas lagrimas
Em uma pedra, eternamente
A poesia será busto do tempo...

sandrio cândido.

3 comentários:

Priscila Rôde disse...

Maravilhoso, como sempre!

Pelos caminhos da vida. disse...

Lindo Sandrio.

beijooo.

IVANCEZAR disse...

Gostei ! - Se aceitar uma sugestão troque no verso "trilhei uma trilha" por uma metáfora do tipo "devorei uma trilha" ....

ABRAÇO !!