15 de jan de 2011

Atos do eterno

   


I
Descanso na crosta do silêncio, imenso
Abismo de versos nunca escritos.


Beijo as palavras, um ato de esperança
Contemplo na poeira da estante
Os antigos retratos. Muitos sonhos.
Embriago-me na trajetória do antes.


Debruço-me sobre o futuro, inquietante.
Olho na janela a sombra de uma magnólia
Amanhã já não existirá o mesmo tempo
Ergue se na tarde o fim da bela aurora.


Fico a meditar os livros sagrados
Jesus cristo
Será que se preocupaste com o tempo?


II
Um cão mudo espreita a porta humana
Haverá de chegar sorrateiramente
E despir-nos dos vestidos da vida
Para nos mostrar que é o fim do tempo.


Mas há de crer na eternidade,
Eterno não apenas por um instante
Mas pelo tempo que há de vir
E virá como o sol no fim na tarde.


Olho teu sermão sobre a montanha
Medito,
Há sempre o encontro de duas solidões.


Abrem-se as portas da catedral, liturgia
Um sol parece sair da nevoa
Mas há de se parar e olhar
Longe os ponteiros marcam o tempo.
III
Não o tempo dos relógios, dos sinos
Não o tempo dos segundos
Mas o tempo da rosa, das primaveras
Tempo de se entregar a vida
Tempo eterno, Tempo de ser humano.


Acabo o poema,
Entre as linhas se esconde a poesia
Não nas palavras espetadas
Mas no branco da vida.




Respiro os aromas da idade, muitas ruas.
São tantas as cidades, os nomes, as catedrais
Acaba se tudo nos escombros do tempo
Permanece a alma, a poesia, eterna vida.




sandrio cândido.

10 comentários:

Leonardo B. disse...

[como um pedaço de vida soprado, em que o tanto do corpo se respira]

um imenso abraço, Sandrio

Leonardo B.

Dα૨ℓ૯ท૯ Aℓ√૯ઽ....(",) ^♥^ disse...

Lindo seu post...

maravilhoso seu blog....

grande bj.

Darlene Alves....(",)

Marisa Vieira disse...

Que lindo Sandrio!
beijo da Marisa

Sonhadora disse...

Meu amigo

Simplesmente soberbo este poema...gostei de ler.

Beijo
Sonhadora

Insana disse...

Respirar é uma forma de se manter viva, de manter o ato eterno..

bjs
Insana

Priscila Rôde disse...

Só temos 24hrs. Só. E não sabemos se vamos sobreviver. No mais, é eterno enquanto dura, enquanto o tempo passa rápido entre os nossos cabelos, enquanto fazemos poesia.

Um beijo, Sandrio.

Sandrio cândido. disse...

priscila, uma opinião que respeito, mas que não cabe em minha existência e minha forma de pensar.

há coisas como o sentimento que não cabe no tempo dos relogios, más cabe no kairoz(outro tipo de tempo) a saudade não reside em um instante, mas na lembrança eterna deste instante.
abraços

Lara Amaral disse...

Sua forma de tratar a poesia da vida faz um viagem incrível diante de nossos olhos, é sempre realidade chocando-se com belas metáforas.

Beijo.

Ana Claudia disse...

Gostei daqui e da frase de Cl. Afinal, escolher a nossa própria máscara... não é fácil.
Um abraço

Janaína Cordeiro de Moura disse...

Olá, Sandrio! Estou retribuindo a visitinha que fizeste ao meu blog! Muito interessante este teu!!! Forte abraço!!!