8 de jan de 2011

Epigrafe para um poema.

             Hoje é dia certo,quando o amanhã faz cara de tarde demais, antes de ser agora e pra sempre.                                                                 Priscila rôde.


Uns silêncios. Recolho do outono os resquícios
Das folhas que quedaram, corpos transmutados
Pelas idades já passadas
O preço do tempo é a saudade.

Uns segundos. O preciso para rever fotografias
Que nas estantes do tempo
Foram se arrumando como símbolos
De uma estranha melancolia.

Uns abraços. Que a câmera grafou no papel
Como única lembrança de um amor
Que as juras eternizaram
Na memória destes dois amantes.

Uns poemas. Escritos sobre as lagrimas
De um homem antes apaixonado
Agora é tarde para se declarar
Pois o amanhã ao homem não pertence.

Uns amores. Que nascem nos bares e esquinas
Para acabar nas avenidas
E renascerem nas praças
Como notas de uma melodia.

Junta se tudo. Escreve no intimo poema
A saudade de uma vida.
Decompõem se no mar da solidão
O amor que já se finda.

Uns sorrisos. Pois é preciso disfarçar nos versos
A dor um dia sentida
Pois inquieta a verdade almejada
Quando não se quer mudar a vida.


sandrio cândido.

10 comentários:

Marinha disse...

Lindo tudo por aqui! Parabéns!
Agradeço a visita lá no blog.
Bjo

Rita de Cássia disse...

oi meu querido, é sempre bom receber-te lá nos Brejos, tudo fica mais iluminado com sua dice presença.
também desejo q este ano seja maravilhoso p vc meu querido!
belo texto, como sempre mto inspirado!
bjos!

Rita de Cássia disse...

* quis dizer Doce e não dice. rsrs

onzepalavras disse...

Lindo oema, Sandrio. Obrigada pela visita ao onzepalavras e pelo comentário.

Seus textos inspiram. Ana

Colecionadora de Silêncios disse...

Maravilhoso o seu poema, Sandrio.
Parabéns pela doce inspiração... belíssimo!

Abraço :)

Mari Amorim disse...

Desejo que seu dia,seja iluminado pela essência Divina,com Boas Energias Sempre!
Abraços
Mari

Marisa Vieira disse...

Sandrio agradecendo sua visita, chego e fico encantada com seu blog, belo poema e a frase da Priscila étudo!

To te seguindo...rs
beijo da Marisa

Insana disse...

Que beleza..

bjs
Insana

Lídia Borges disse...

Restam os sorrisos...

E este poema magnífico.

Um beijo

Priscila Rôde disse...

O preço do tempo é a saudade.
E não saber trazê - lo de volta ou fazê - lo ficar mais um pouco, distrair a sua ligeireza. Saudade é coisa boa que paralisa o orgulho da gente. Por um momento acreditamos: eu preciso ter ele(a) de volta em alguma coisa ou momento que me deixe sorri sem medo, sem conter o brilho dos olhos...


Muito belo, Sandrio!