4 de mar de 2011

Amor moderno.


Trago no bolso um verso morto, enrolado, 
preso ao nó de alguma gravata 
nas gavetas junto as calculadoras 
amontoados com os mesmos retratos. 

Trago uma rosa e vejo tua calida boca 
morder os meus lábios aridos 
mas tudo acaba, um dia fomos 
e agora carol, será que somos?

No deserto do tempo marco com os meus pés 
o bailado dos anos que se foram 
e que deixou em nós o manuscrito 
dos beijos silenciados no olhar. 

carol, um dia nos encontraremos em outra janela 
que me baste perpetuar o teu canto 
nada me sobra da tua presença 
senão imagens...melhor será a ausência. 

Não me sinto inacabado sem teu ser 
porque tu habitas dentro do meu coração 
e o amor não é feito de carne, de sexo 
o amor é como a sombra da alma 
rompendo os limites imposto pelo corpo. 

O amor não sobrevive de beijos, de contratos 
celados com a caneta esferográfica do tempo 
mas o amor é antes um aprender diário
de como despertar com o outro ao seu lado. 

E não aprendemos carol, e já dizia o poeta: 
"A vida passa e não fica, nada deixa e nunca regressa"
para nós só há a possibilidade do  regresso 
se for nos embalos da minha saudade. 

Porque carol, preferiste a matemática?
Porque foste para o mundo dos numeros 
e me deixou aqui sozinho com a poesia 
e a doce solidão das idades.

Carol, o que nos separa não é as escolhas 
e antes de tudo as nossas verdades
que fazem  o sentimento prender-se
ao nó das nossas gravatas

Sandrio cândido.





19 comentários:

Callie disse...

Quão belo é teu sentir ;-)

Luiza Maciel Nogueira disse...

que tudo baste o quanto basta - o amor se basta

beijos

Maria disse...

Amigo que poema maravilhoso.
"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de almas grandes e sentimentais." (Voltaire)
Tenha um excelente fim de semana, pleno de alegria, paz e harmonia.
Beijinhos
Maria

Camila Lourenço disse...

DE todos teus poemas que já li, o de mais sinceridade rasgada e doída.

Gosto da paz que vc passa mesmo em meio a ventanias.

Beijo Sandrio!
Adorei!

RITA DE CÁSSIA disse...

ai q delícia de poema...
vc sempre me surpreende.
parabéns meu querido!
bjos carinhosos!

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

E o verso, que supunhas morto, emergiu da gravata, saiu pela boca e caiu nalgum coraçao desprevenido.

Lindo poema.

Carla Diacov disse...

sempre um nó, não!?
lindo, amigo, lindo!

Colecionadora de Silêncios disse...

Amigo poeta, que coisa mais linda! Creio que é um dos poemas mais lindos que já li aqui. Gostei demais! :)

O amor deve bastar-se a si mesmo... e pronto.

Beijo grande e ótimo feriado pra vc!

Marisa Vieira disse...

Sandrio que coisa mais bela!
Viva! Viva!
beijodamarisa

Liene disse...

Sandrio,

Versos sentidos, os teus e não menos profundo.

O amor quando verdadeiro também se alimenta de ausências e renúncias.

Somos capazes de abrir mão da convivência mas jamais abrimos mão desse sentimento, mesmo que isso custe muitas dores e lágrimas.


Um abraço carinhoso

A paz esteja contigo

Priscilla disse...

Feliz dia da Mulher querida amiga!
Beijos meus

Arianne Carla disse...

Você e seus infinitos e intensas poesias, não é? Fiquei embriagada em cada verso e sentimento encontrado aqui.

Cáh disse...

glória ler isto!


"Não me sinto inacabado sem teu ser"

me fez pensar tantas coisas.

Um grande Beijo

Nanda disse...

"o amor é como a sombra da alma
rompendo os limites imposto pelo corpo."

Amei esses versos.Que sublime esse pensamento!
Vou ler sempre o que escreve, tão dificil encontrar poesias novas tão belas.

Luci disse...

Sandrio
eu amei seu blog.
Adoro ler poesias diferentes
e vc escreve maravilhosamente bem,com intensidade mas ao mesmo tempo com delicadeza.

Vou te linkar viu.
Beijo.

Ítalo do Valle disse...

"mas tudo acaba, um dia fomos"

O que foi e já não é
Tem, apesar de tudo,
O poder de sempre ser em nossos versos...
Os seus são lindos!

Um grande abraço!

Cris de Souza disse...

" por ser exato não cabe em si. "

beijo!

Fernand's disse...

traga e entregue.



=)
bjsmeus

A Escafandrista disse...

oi sandrio. desculpe a demora em vir aki, mas estou meio adoentada. vim só pra vc saber q não eskeço de passar aqui, não. abração, querido!!!