12 de abr de 2011

Credo de um quase poeta

A camila Lourenço.

Não creio nas palavras ditas, elas emudecem
quando o cão negro da morte espreita nos
na antiga porta dos tempos existidos.

Ando procurando um verso, tentando aprender
a juntar palavras em uma emaranhado de imagens
a formar poemas, a cantar a beleza da vida.

creio nas formas brandas, nos abraços prometidos
mas não creio nos homens de luto
que negam um sentido para a vida.

Não creio nas caixas de metal onde desfilam imagens
elas não ajudam a pensar, elas apenas deflagram
a amargo sentimento da alienação.

creio no palco onde os atores grafam seres,
afinal o que é o teatro senão um estranho mundo
de vidas possíveis, de sonhos calados...

Creio na dança, ela sabe que os pedaços de mim
não cabem na louca multidão consumista
onde consome-se até o cronometro-o tempo.

Creio em Deus- talvez eu não saiba quem seja ele-
mas mesmo assim creio, porque importa na vida
buscar a verdade-ainda que ela seja um verso esquecido.

creio na musica-não no abstrato das vozes roucas-
mas creio na canção-não nas notas juntadas do nada
mas em uma canção feita com o suor e sangue da vida.

creio nas cores, nos poemas de Fernando pessoa
na filosofia, no verso de Reine Maria rilker
mas diante de tudo o que grafei em minha poesia,

restou me apenas duas coisas a dizer- creio no ser humano
na juventude que abraça a utopia de um mundo livre
e só creio nisto, porque eu acredito na vida. 

 Sandrio Cândido.

12 comentários:

Leonardo B. disse...

[De caminho em caminho, um credo e luz]

um imenso abraço, Sandrio

Leonardo B.

нєllєи Cαяoliиє disse...

e acreditar na vida,é acreditar que se pode coexistir entre existir e viver junto,deles buscando o melhor
Lindo poema
Beijos

Luiza Maciel Nogueira disse...

e que a fé que move montanhas - seja inspiração crescente nas mãos :)

beijos

Camila Lourenço disse...

Sandrio, Sandrio
Passei o dia todo vigiando seu blog esperando a postagem que eu sabia que viria, e de repente, topo com o belo texto que vc havia me mandado ontem direcionado a mim...

O que posso dizer? Por causa de pessoas como vc eu tb ainda "creio no ser humano"!

Obrigada, pela reflexão, por fazer tanta diferença na minha vida!

Obrigada mesmo!

Deus deve realmente gostar de mim....vai soar clichê, mas é o único motivo que encontro para justificar presentes como vc!

Um beijo nessa alma linda!!!!

A Escafandrista disse...

Veio-me uma palavra à mente: voracidade. Parece-me alguém que almeja saborear a vida com imensa vontade. Bjs.

Mila Lopes disse...

Adorei tua poesia, parabéns!

Obrigada pela visista!

Bjss

Mila

Carla Fernanda disse...

Lindo!
Eu creio na poesia e no amor.
Passando para uma visitinha de começo de tarde.
Saudações,
Carla

Erica Gaião disse...

Sandro,

LINDO poema! E a Camila? Um grande encontro, eu diria!

Eu também acredito na vida!

Parabéns por essa dádiva, que é escrever com alma. Poucos conseguem...

Beijos

Dois Rios disse...

Muito bonito, Sandrio!

Porque o bem da vida seria ter
mesmo no sofrimento
gosto de prazer.
Cecília Meireles


Beijo cheio de vida,
Inês

Livinha disse...

Sandrio,
Poemas eternecedores são os teus, sempre carregados de plenitude.
Soas como um pasarinho voando nas buscas incanssáveis do tempo, esse que não te faz parar, pela intensidade com que te mostra viver...

Parabéns, é de encantar.

Bjs

Livinha

Long Haired Lady disse...

eu não se acredito tanto nos seres humanos...

Daniel Hiver disse...

Sândrio...
O mundo moderno está profundamente repleto de superficialismo; e é com esse superficialismo que nos vêem, lêem e tentam nos entender.

Estava lendo teu poema dedicado. Parabéns por ainda acreditar nas cores, em Fernando Pessoa, na vida e no ser humano; apesar dos pesares.