21 de mai de 2011

Dias cinzas

                       

Inesquecivel emudecer das horas errantes 
onde c poeta com a lamina do instante
corta tempo de  ponteiros cintilantes 
e ver nos pedaços a poesia da eternidade. 

Entardecer de corpos abandonadas no abismo
entre o sonho inaudível e a realidade mutante 
era preciso que surgisse entre este beco
o poema da esperança gritante. 

A saudade é um lugar perdido no espaço
onde se guarda as pessoas que não cessam 
de renovar em nós o desejo da vida
e os momentos que são inexpremiveis ao agora.

A senhora morte abraça nos a cada lembrança
mas a beleza da vida é saber que o crepúsculo
é enfim o ensaio magnifico e mudo
para o grande teatro dos amanheceres.

Dias cinzas são comuns ao poeta urbano
mas cabe lhe a penosa tarefa de despir o céu
e ver que atrás das cortinas do pensamento 
há sempre um emaranhado de cores cintilantes.

  Sandrio cândido

13 comentários:

Lara Amaral disse...

A lâmina do instante faz do poeta afia.dor de horas intermináveis.

Ótimo poema, meu caro.

Beijo.

нєllєи Cαяoliиє disse...

Ah...dias cinzas se fazem necessários para pintarmos o próximo com as cores que não vimos,mas desejamos...
Belo Poema.
Beijos e um ótimo fim de semana,Sandrio!

Catia Bosso disse...

A senhora morte abraça nos a cada lembrança ... Que super profundo isso!
Adorei!

O poema todo é instigante, Poeta!

bj

Catita

Rita disse...

Despir o céu em busca de cores cintilantes... Simplesmente lindo!
saudades e obrigada pelo carinho.
Bjos querido, fique c Deus.

Sam disse...

o meu dia foi um cinzeiro emocional
onde o cinzar das horas me queimaram as idas e vindas que não pude contar, dos nós que não pude cortar, atar nem desatar das minhas mãos cinzas de guardar nuvens carregadas de mágoa, de água, de chuva que vem, que vai deslizando céu abaixo, garganta abaixo do meu corpo fonte, ponte que verte esperança azulada de tempestade.
saudade é mesmo a minha tempestade de verão, nessa cidade de cimento cru e nu guardada nas mãos que aceno pra quem me passar.

Escre tão bonito e verdadeiro, Sandrio.
Gosto demais
Meu carinho
Samara Bassi.

asombradomar disse...

"A saudade é um lugar perdido no espaço"



pronto, disse tudo Sr. Poeta.



Um beijo

Cáh

нєllєи Cαяoliиє disse...

Sandrio,Querido amigo!
Passo para agradecer por seu carinho sempre,gosto muito de ter sua sensibilidade no meu espaço!
Meus votos de um dia cheio de luz pra ti amanhã.
Beijo

Malu disse...

Sandrio,

Belíssimo !
Me lembrou Pessoa ,quando escreveu :
"Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol , cada um é como é."


Bjo Grande e uma Semana de Paz.

Long Haired Lady disse...

o cinza é a cor que reveste as big cities

Carla Diacov disse...

sandrio, candido é o teu haver, candido, candido, candido e tanta fé no que escreves...

Malu disse...

Sandrio,



Vim te reler e desejar um
Final de Semana cheio de Paz ...


Bjo.

Juliana Lira disse...

É tão verdadeiro esse texto. Quantas vezes o nosso céu não se cobre de cinzas?
E então a poesia busca o sol por trás das nuvens, e vem a aurora trazendo a esperança do novo.
A realidade é dura e fria como a própria morte, mas o poeta vê além... Ele pinta crepúsculos.

Lindo, mas não como sempre. Esse post tem sabor de bolo quentinho no fim de tarde.

Milhões de beijos

Patricia s2 disse...

Ah!!! Sei como são esses dias...Adorei o poema.
bjs!