17 de mai de 2011

Esboço sobre poesia

  No mundo tudo se faz ideia quando toca o nosso olhar. O que há de mais belo na poesia é esta capacidade que tem os verdadeiros poetas de captar no olhar a sensibilidade dos seres, inclusive dos objetos através dos seus olhares, em mundo insensível como o nosso, isto soa com uma beleza rara. Não é palavra a essência dos poetas, mas para aqueles que querem viver a poesia, além da pagina de um livro,o  olhar é essencial. 
  A poesia é algo inaudito,mas que cala profundo em nosso coração. O poeta não é aquele  capaz de escolher belas formas metrificadas,mas é aquele capaz de silenciar a voz o leitor e leva-lo a uma reflexão profunda de si mesmo,aquele capaz de fazer " que seja eterno enquanto dure". 
  A poesia nos faz refletir porque ela é feita de símbolos(imagens) que codificam a existência e marca o nosso inconsciente,um exemplo desta poesia está em Fernando pessoa e Shakespeare, além de outros grandes nomes da poesia mundial. 
  A linguagem poética é quase sempre marcada pela tragédia e pela dor, pelo " ser finito ser eterno", pelos instantes. A escrita poética é uma busca pela verdade, por isto muitas vezes persiste a contradição ao olharmos a obra de um autor, porque cada poema é uma nova percepção do tempo em que ele vive. O ser humano é uma contradição, e a poesia é essencialmente uma visão do ser humano e do tempo-espaço no qual ele está inserido Das artes literárias, penso que a poesia é a única que não pode ser apenas fruto da imaginação, a existência humana e a filosofia são responsáveis por  lapidar a obra poética.A poesia é também uma transcrição sentimental das lutas sociais, o poeta dar a estas lutas uma condição existencial, tão bem descrita em Drummond. Na blogosfera há uma vantagem para os novos poetas, pois nos comentários dos leitores é que descobrimos o significado da nossa poesia. Algumas interpretações se distanciam daquilo que imaginamos, mas esta a beleza. como um verso simples desperta varias sensações no leitor? Como um poema leva a vários pensamentos diferentes? 
  Mariana Ianelli escreve em um dos seus poemas: " A poesia está muda, já não se evoca mais". Não deixa de ter razão o pensamento da poetisa diante da crise da arte na qual estamos inserido, hoje o poema ganhou novas formas, com os movimentos novos, alguns estranhos( poema concreto poesia visual) e absurdos, mas a poesia ainda é a mesma. Nem todo poema é poesia. Hoje o poema muitas vezes não fala ao leitor, pois o poeta vive buscando a forma perfeita e esquece de fazer poesia. 
   Porém a boa poesia continua a se perpetuar tanto nas paginas dos livros como nas paginas da Blogosfera, nestes poemas sobrevive a única forma de se fazer poema, grafando nas entrelinhas a poesia.Estas entrelinhas quase sempre guarda pedaços dos poetas, um pouco do homem que se permite grafar no chão árido do poema. 
  Sem sentimento( solidão, saudade, amor, felicidade, sonho, dor) enfim sem a alma não existe poesia, mas existe apenas palavras grafadas no papel metrificamente, como disse Paul Claudel " a poesia não é feita destas palavras que espeto no papel como pregos, mas sim daquilo que fica nas entrelinhas". 
                             
                          Sandrio Cândido.

13 comentários:

Janita disse...

Querido Sandrio.
Gostei muito deste teu Esboço, numa reflexão muito profunda e muito ao teu jeito, sobre a essência da poesia.
Não penso que haja boa ou má poesia, uma vez que ela traduz o sentimento do instante do sentir do poeta e, como muito bem dizes, «que seja eterno enquanto dure».

Sandrio, com o problema que ocorreu nos blogger's, perdi vários comentários no meu post anterior, entre eles o teu. Não sei se aí foram afectados. Fiquei bastante desmotivada e uns dias fora da blogosfera.
Falo-te nisto para que saibas que fui alheia ao desaparecimento dos comentários.
Espero que estejas bem, meu amigo.
Beijinhos com carinho.
Janita

нєllєи Cαяoliиє disse...

Profundo isso!
também concordo que sem a alma não há poesia,não se torna poesia, somente meras palavras.
Acho que em tudo que se resume escrever tem que ser com a alma e o coração envolvente.
Belo Esboço ;)
Um beijo,Querido amigo.

Lara Amaral disse...

Muito legal, Sandrio.

Compartilhar meus escritos aqui na blogosfera me fez conhecer pessoas com esse olhar diferenciado do qual vc fala. Isso enriquece nossa vida, de uma forma simples, às vezes nem perceptível à maioria, mas enriquece.

Beijo!

Bonetti disse...

Muito bom, Sandrio. Penso exatamente o mesmo, com uma ressalva: não concordo que a poesia esteja muda. Ela fala a língua do seu tempo, usa de outros símbolos, outros signos, mas segue gritando as indagações e as inquietações humanas. E a internet fará uma revolução, nas artes e na literatura, com certeza. Já podemos perceber isso claramente, não é? Abraços!

Catia Bosso disse...

Adoro as entrelinhas, sempre!

Adorei seu texto 'esboçando' poesia/poeta. Arrasou!

bj

Catita

Celso Mendes disse...

Muito bom seu texto. De forma inteligente, coloca muito bem algumas questões que sempre valem a pena serem revistas ao se falar em poesia e incorpora a questão da poesia na blogosfera de uma maneira muito coerente. Identifico-me muito com sua maneira de enxergar o assunto.

Abraços!

Ianê Mello disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ianê Mello disse...

Sandrio, achei seu texto de grande qualidade, além do que muito verdadeiro. Concordo que a poesia para ser assim chamada tem que ter "alma". A forma, a meu ver não deve ser o objetivo único do poeta, tampouco a métrica rígida ou palavras rebuscadas.Esse tempo já se foi. A poesia tem ocupado cada vez mais novos espaços e sinto que se renova a cada instante. Na blogosfera mesmo, constatamos esse fato com frequência. Entramos em contato com diversos escritores,não só poetas, claro, de diversos estilos e com formas muito próprias e criativas de expressar seus sentimentos. Assim, concordo com a Nydia, quando diz que a poesia não está muda, mas tem encontrado outras formas de expressão. Grande beijo, amigo.

Long Haired Lady disse...

a poesia é a revelação dos nossos sentimentos em palavras.

Ana Morais disse...

De uma forma profunda chego a me identificar com as suas palavras.

Um beijo, Querido Sandrio.

нєllєи Cαяoliиє disse...

Sandrio,Querido amigo
Passo para deixar um beijo pra ti e desejar que seu fim de semana seja cheio de luz.
Hellen

Juliana Lira disse...

Gostei muito!

Penso assim também, que sem sentimento, sem verdade, sem entrelinhas não há poesia.
Não sei se sou poeta, não sei se chego a comunicar ou "silenciar a voz do leitor", porque pra mim os poemas, os textos, a linhas e entrelinhas, são como água no deserto. A poesia me salva todos os dias!
Talvez deixe a desejar à humanidade, mas pra essa alma simples aqui, ela viaja no infinito.
Não que tudo que eu escreva seja eu, parte é o que vejo dos outros, parte é o que percebo do mundo, mas acaba indo muito de mim e isso vai se misturando nas linhas, confundindo o leitor às vezes.
Na esperança de simplificar criei marcadores: 'sobre mim', 'eu por mim'. Mas ao longo dos dois anos de reticências percebi que não adiantaria tentar explicar o que “sou eu”, e é “eu vendo o sentimento alheio, vendo o mundo”.
O leitor tem razão. Somos tudo o que escrevemos, Fernando Pessoa era de certa forma todos os seus pseudônimos, e eu sou Lua também...

Milhões de beijos

Sam disse...

A poesia é sempre uma descoberta inacabada.

Adorei Sandrio sua abordagem e reflexão.

Meu beijo, querido