11 de jun de 2011

Entrelinha

A poesia corta 
indizível 
não se diz poesia, diz se poema 
a poesia fica depois que partimos
a poesia é a lembrança depois que tudo foi esquecido. 

A poesia lateja 
cobre nos com véu da esperança 
junta cacos de uma utopia 
esconde se entre cortinas emaranhadas 
baila suave no palco da vida. 

A poesia é doída 
será dores de parto ou dor fingida?
a poesia é a morada 
do sentimento inaudível
é uma flor umida dentro do amanhecer. 

A poesia é pálida 
é azul e cinza
na verdade a poesia não é 
a poesia acontece 
nos crepusculos da nossa existência. 

Sandrio cândido.

12 comentários:

Lara Amaral disse...

A poesia é cheia
desse vazio
do poeta que a cria.

Belo, Sandrio!

Beijo.

нєllєи Cαяoliиє disse...

"na verdade a poesia não é
a poesia acontece nos crepusculos da nossa existência. "
Ah,a poesia é todo nosso interior em palavras,tão menores seríamos sem ela!
Perfeita sua poesia,Querido Sandrio.
Beijos,um ótimo fim de semana a ti!

Leonardo B. disse...

[poesia, onde corpo e alma acontece, na palavra da mão em ligação directa ao lado esquerdo do peito onde bate, serena, a palavra após palavra]

um imenso abraço, Sândrio

LB

Catia Bosso disse...

A poesia é algo abstrato que já vem tatuado em nossas almas antes mesmo de nascermos...

bjao

Catia (nao rita)

Catia Bosso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiza Maciel Nogueira disse...

Belo Sandrio! Coisa rara essa poesia tão cheia de si.

Beijos

Dois Rios disse...

Ah, Sândrio, que coisa mais linda essa que você versou!

a poesia fica depois que partimos
a poesia é a lembrança depois que tudo foi esquecido.


É tão isso mesmo que se eu fosse poeta, chorava em versos a lembrança de tantas partidas que já vivi.

Beijos,
Inês

Diego Marques disse...

A poesia é doida...
Louca como o poeta!

Adorei o poema te sigo

dade amorim disse...

Poesia não acontece, tem que ser percebida.
Muito belo teu poema.

Abraço grande.

Graça Pires disse...

Um poema muito belo.
A poesia é tudo o que quisermos que seja, porque ela nos absolve das nossas fragilidades.
Um beijo.

Varda disse...

Oi..
Eu sou a Rayssa do VardaValar.
Não tenho postado pois estou me dedicando a um blog de fotografia.
Portanto vou desativar o Varda,mas vc pode me encontrar no http://www.anarayfotografia.blogspot.com/ .
Te vejo por lá.
;*

Juliana Lira disse...

É lindo teu poetizar
alcança-me tao distante
como um abraço acolhedor.

Milhoes de beijos