27 de jun de 2011

Esperança




Paisagens claras emergem.
No horizonte esconde-se o passado
moldura de antigos sonhos
restias de luz se esfregam em meus olhos
um fio de esperança ainda é tecido.

Uma fotografia de crianças brincando
é atirada ao chão de poeira
indago-me o porque 
será que sabia o fotografo do destino
que aguardava aquela menina
morar indelicadamente em um corpo adulto. 

Beija a palavra fria o poeta errante,
mal  sabe das esquinas onde jovens moram.
Perdido em meio a solidão metropolitana
aquece o poema com um sonho,
sabe da impossibilidade- mas sabe que as rosas
um dia forem apenas sementes.

Paisagens descortinadas no céu cinza
onde moram os sonhos de antes
onde se envolve com o manto da esperança
a trajétoria de uma vida sofrida.
Onde a mulher que no semáforo pedia
encontra de novo sua utopia.

Sandrio cândido

16 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

Maravilhoso Sandrio, de uma sensibilidade extrema

beijos

Ianê Mello disse...

Belíssimo poema, amigo!
Tamanha sensibilidade e realismo.
Bjs.

нєllєи Cαяoliиє disse...

Sandrio,
Que primor esta tua poesia!
tudo em sintonia cada palavra!
"sabe da impossibilidade- mas sabe que as rosas um dia forem apenas sementes." e a esperança de quem as regou,fora como manto para elas :)
Um beijo!

Ana Morais disse...

"Os versos seus, tão meus que peço..."

dade amorim disse...

Extrema sensibilidade e delicadeza nessa visão que você expõe em seu poema, Sandrio.

Um grande abraço

Graça Pires disse...

Sonhos onde um poeta tece a esperança. Um belo poema!
Beijos.

Janita disse...

Querido Sandrio.
Poema de extrema beleza e elucidativo da tua grande sensibilidade. Gostei muito.
Querido, obrigada pelas tuas palavras e presença no meu cantinho.
Beijinhos com carinho.
Janita

Fé Fraga disse...

Sandrio,
Obrigada pela visita no meu blog. Lindas suas palavras por aqui.
Que a poesia e a literatura estejam sempre presentes em sua vida.
Adicionei seu blog em meus favoritos.
Volte sempre.
Abraços.
Fé Fraga.

Celso Mendes disse...

o olhar poético sobre o social de grandes centros urbanos é algo que me agrada muito.

"Beija a palavra fria o poeta errante,
mal sabe das esquinas onde jovens moram."

destaco esses verso do todo muito bom do poema.

abraço!

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá.

Há palavras
que tem o dom
de acordar
sentimentos.

Vida plena em teus dias.

Livinha disse...

Sandrio,

Sempre muito bom te ler, quanta sensibilidade em doce inspiração...

Bjs

Livinha

Long Haired Lady disse...

a poesia do cotidiano.

Dois Rios disse...

Lindo, meu querido!

A esperança tecida ponto a ponto, ou melhor, verso a verso.

Beijos,
Inês

Juliana Lira disse...

Sandrio

Que post lindo hein? Adoro esse teu poetizar... Temos mesmo que ter alguma esperança.
Depois da mais profunda escuridao há de vim a luz.

Milhoes de beijos

Insana disse...

A esperança nos faz viver...

bjs Insana

A Escafandrista disse...

Sempre inspirador e com um manejo das palavras q é encantador... fazia tempo que eu não via a palavra "utopia", por exemplo. Muito bom mergulhar aqui. Bjs.