3 de jul de 2011

Estética das cinzas

O poema começa no horizonte.
Entre o rabisco deixado em uma folha
e o amor jamais absolvido 
pelo tempo que tece as faces humanas. 

Olho o verso deixado na gruta 
ouço seu canto, suave melodia da saudade 
tocada no piano das sensações.
Guardo notas de uma felicidade prometida.

Esboço de uma pintura deixada as traças.
 Legado de uma época sem sonhos 
onde as paisagens são trocadas 
por cartões postais em um teatro de aparências.

O poema parece guardar a voz silenciosa
do homem errante que assume em seu ser
a difícil tarefa de pensar o mundo.
neste tempo de  reciclar obras  perdidas.

Vive se hoje como se fosse apenas isto. 
 Como adentrar uma catedral e ver imagens 
esquecendo-se que ainda não é Deus
aquela escultura moldado as pressas, 

Assim é homem. Esquece que seu corpo
estética das cinzas 
ainda não é o humano que lhe habita 
quando voltarás a sua morada?

Mas há peregrino nesta estrada  de pedras
onde edifícios escondem o segredo,
onde as horas danças apontando
que sempre urge redescobrir o caminho.

Sandrio Cândido

12 comentários:

Lara Amaral disse...

A sua estética tece os poemas que ressurgirão dessa nossa vista cinza.

Beijo.

Miquelinne Araujo disse...

e Quando será ?
Embriago-me em teus versos como voo em um céu desprometido'

Parabéns Sandrio!

Liene disse...

À mercê da dor
a alma
alívio anseia
em tempos de longas esperas...

Beijos, querido!

Uma semana de luz pra você

A paz esteja contigo

Janita disse...

Meu jovem e querido Poeta.
Mais um belo poema com que me enterneces.
Todos somos peregrinos em busca da paz interior e de algo que dê sentido à nossa vida.
Beijos amigo e que te sintas feliz é o meu desejo.

Janita

Ana Morais disse...

Tua poesia me espalha pelo chão, fico em silêncio em segundos ternos.

Evanir disse...

Em você, Deus colocou Ternura,Amor,
Sensibilidade. Tudo de bom e ainda me
presenteou com a felicidade,
ao separar no seu coração um
cantinho para mim.
Como é bom fazer parte dos seus seguidores
isso significa ,,que,, tenho um
cantinho no seu coração.
Um dia lindo beijos no coração,Evanir.

CARLA STOPA disse...

Lindo, Sandro...

Tania regina Contreiras disse...

Sandrio, tão lindo: vc me emociona com teus versos...
Beijos,

нєllєи Cαяoliиє disse...

Que a volta dessa morada não demore,possas tardar,mas não deixar de voltar.
Sandrio,seus poemas são sempre intrigantes,gosto muito!
Beijos

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

O poema que se revela em si mesmo, prazeroso te ler.
ps- seu nome por si só ja é uma poesia

PATRICIA PALLERES disse...

HOLA AMIGO, CÓMO ESTÁS!!

PRECIOSO TU POEMA, ME HA ENCANTADO!!!

A PARTIR DE HOY TE SIGO Y GRACIAS POR VISITARME.

UN ABRAZO. . .PAT

Bruno Soft disse...

O poema ressurge verde nos cantos
Vem como musgo; nasce e renasce
O tempo n muda a estrutura de fungo
Os poetas estão em todos recantos