23 de set de 2011

Pobres são os homens que passam

Sobre a mesa está as dispersas calculadoras
e um verso acrisolado.
Lá fora as araucárias definham

sem nunca permitirem ser balançadas pelo vento.

As paredes umedecidas e mofas encerra uma voz
e o homem de terno tapou os ouvidos
meteu na agenda do celular nomes diversos
são pessoas
são números

e a vida continua a estapeá-los.

Todos os dias de minha janela vejo retirantes
e a dança dos passos apressados
homens que passam
não sei porque passam rápido

mal sabem eles que viver é não esperar resultados.

Vejo também as grades encerrando lagartas
que jamais transmudar-se-ão em borboletas
eu suspiro _pobres lagartas
e elas dizem:

_Pobres são os homens que passam...

Sandrio Cândido

11 comentários:

Lara Amaral disse...

Ótimo, um dos que mais gostei seu, Sandrio!

Beijo, doce poeta!

Sandrio cândido. disse...

Eu também Larinha. Ao lado de a solidão dos homens de guarda chuva
abraços
Sandrio

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"Todos os dias de minha janela vejo retirantes " e também sou retirante

Celso Mendes disse...

Pobre são os homens que apenas passam sem conhecer a poesia da vida.

muito bom Sandrio!

abraço.

« Katyuscia Carvalho » disse...

Retiram-se da vida... em vida!
Como se essa não tivesse tempo para eles...

Gosto muito de poemas que nos deixam arestas para pensar, refletir...

Linguagem a dar direções que só nosso olhar pode definir ou indefinir.

Um grande beijo.

Maria disse...

Amigo Sandrio lindissimo poema.
Bom domingo
Beijinhos
Maria

Parole disse...

Vim retribuir sua visita em meu blog e me deparo com um poema sensível e lindo como esse.Virei mais vezes te ler.Gostei muito.

Beijos, querido e tenha um ótimo domingo.

dade amorim disse...

Um grande poema, Sandrio! Gostei.
Abração

Concha Rousia disse...

Sim, pobres os homens que pensam que sabem e se auto-enganam com isso, desconhecendo o verdadeiro saber, lindo poema, reflexivo, profundo... Abraços e parabéns.

Concha

Analuz disse...

voz sábia de borboleta...

Beijinho, sandrio!

Juliana Lira disse...

Tava com saudade desses teus escritos, a perfeiçao causa uma saudade danada!

Milhoes de beijos