12 de nov de 2011

O mundo em gestação



"é por vezes pesado levar o céu nas costas
por vezes há pássaros que querem ser chão"
Katyuscia Carvalho

1.
Aqui encontra-se diluído o mapa, os semáforos e ruas
tudo que apontava para a ilha de utopia

mas na fumaça dos automóveis ainda existe 
o grande sonho, o encanto camarada,
no oceano – ainda que sufocado pela água
e amarrada pelas algas – sobrevive a rosa escurecida.

O poema saltou das paginas de um jornal
naquele corpo que deitado sobre a margem esquerda
parecia fazer o retrato de uma época indiferente
ao sentimento do mundo. 

Parece-me ser o homem neste estranho tempo
uma maquina de adejar cofres.

Esquecemos Abril e as flores pairando no ar.
Oceanos de liberdade prontos para ser navegados
mas os barcos naufragaram junto ao cais...

As flores tão distantes -não no tempo
mas na forma como concebemos a história -
transmudaram-se em caules secos e espinhos
regados ao sangue da esperança rendida.

2.
Haverei de alçar voo ao céu nublado
sem esquecer as raízes fincadas na terra.
Por este chão é que  chegarei a casa na nuvem.
Filho do instante acasalado ao desejo da eternidade.

Tenho o rosto de um girassol que beira a estrada 
e do sol que habita as alturas. 
Filho do mundo, da solúvel época em que aconteço.  

Sei que as utopias estão desfalecidas sobre as cinzas 
da luz que não irradiou sobre os homens
naquele século esquecido no livro. 

Entretanto ainda percebo o mundo em gestação,
o barro que espera ser moldado. existe um porto.
Um farol  não sucumbiu no tempo.Seu nome é ser humano. 

Sandrio Cândido 

10 comentários:

Celso Mendes disse...

A gestação é contínua. O movimento é entrópico mas a reconstrução inevitável. E o universo se reinventa. Esperemos que o ser humano também.

Gosto do mote e gostei muito do poema, Sandrio.

Abraço.

A Escafandrista disse...

Ainda mais existencialista, mais leve, mais doce, mais feliz. Obrigada pelos seus versos, querido.

marlene edir severino disse...

E o instante é novo,
sem cópias
e tudo que se tem.
Sorvê-lo intensamente é o que podemos.

Abraço, Sandrio!

Davi Machado disse...

Com certeza esse se tornou meu porma preferido daqui, muito bem feito e evoluído! simplesmente adorei! parabéns pelo talento bem empregado!

Davi Machado disse...

corrigindo:
*poema

« Katyuscia Carvalho » disse...

Sandrio, das coisas que mais admiro no teu trabalho, é que o "barro" dos teus poemas é muito genuíno. Fazes poesia com o que tens nas mãos: tua vivência, tua visão de mundo, tua consciência, tuas buscas... esse é o melhor sopro para o verbo.

Parabéns!

Dois Rios disse...

Vivemos em permanente elaboração. Nos auto-pariremos e nos transmutaremos enquanto o sol for a única claridade.

Beijo,
I.

Tania regina Contreiras disse...

Alguém já o disse de outra forma, mas é bem isso, teus versos são feitos de vivências tão reais, a gente sente, mas vistas sob um ângulo poético singular. Tua poesia é tua. Embora nossa, quando a lemos.
Beijo, Poeta!

Raquel Costa disse...

Sandrio, não tenho palavras para comentar suas poesias. Fico embaraçada com tanto lirismo, beleza e talento. Parabéns!

Analuz disse...

Parece que teus textos refletem o que tua pele sente... me vejo por trás de teus olhos...e voz

Beijinho, Sandrio!