18 de jun de 2012

Claridade

O silêncio é uma pedra tragada pela garganta das aves 
um círio de arame aceso no coração do outono 
uma varanda aberta no seio do pão.

O tempo escoa suavemente pelos canais espelhares 
entorna um rosto pelos canos pluviométricos da vida 
abre crateras na raiz do coração.

Pelos canais aquáticos  deixamos escorrer  a saudade
fincamos os rastros da solidão no bojo do outono. 

Colocamos a mesa .
Divisamos as águas turvas da memória.
Depois,o estranho ritual:

 _ Ofertar os olhos límpidos das crianças 
inclinar as mãos fechadas sobre a atmosfera da luz

As crianças trazem os longos cabelos soltos
como escadas recolhidas na direção embriagada da fantasia.

As escadas não sobem 
não descem 
entram pelos canteiros interiores
abrem um jardim para semear os anos amadurecidos.

os calendários são como ervas
crescem sobre a rosa do instante.
Os corpos esfregam-se em piscinas de fogo 
desfigura o tempo.

Os corpos queimam as pálpebras sombrias da morte
ressurgem como orvalho
semeando as flores da claridade.

Sandrio Cândido

7 comentários:

Lara Amaral disse...

Um poema que contempla e é para ser contemplado, como quem olha um campo e só espera uma revoada; como quem se põe dentro do outro e só espera o silêncio.

Cada imagem linda nesse poema, de tirar o fôlego.

Beijo.

A Escafandrista disse...

Sandrio, que saudades dos teus versos!!! E s meus dias andam tão necessitados de poesia. É bom retornar. Bjs.

Tania regina Contreiras disse...

Sandrio, o silêncio como tu o descreve é estupendo. As imagens desse poema são absolutamente tocantes. Esse instante de pausa e o meu delírio, que te ler é muito bom.

Beijos,

marlene edir severino disse...

Imagético poema
Lindo, lindo

Abraço!

Carla Diacov disse...

tuas ervas são como dias morninhos
crescendo sobre a rosa do inverno.


beijos!

Bárbara Queiroz disse...

Sempre decifrando além do que os outros podem decifrar!

Lindo poema!

Carla Diacov disse...

vortei pra reler este trecho:As escadas não sobem
não descem
entram pelos canteiros interiores
abrem um jardim para semear os anos amadurecidos.


e volto outra vez pra reler este:As escadas não sobem
não descem
entram pelos canteiros interiores
abrem um jardim para semear os anos amadurecidos.



aiaiaiaiai!!!!