2 de mar de 2016

I

começou a morrer bem  cedo
antes da bacia entornar o corpo dentro d'água
o chuveiro queimou
a chuva não voltou em dezembro
não soube mais o caminho de molhar

II
a abelha beijou a flor
e não pode encontrar o néctar
a menina entrou nos olhos da lagarta
por isso anda o poeta
tentando colher nas borboletas
o gosto daqueles lábios  
o único que lhe faz tremer o corpo.


2 comentários:

LuísM Castanheira disse...

o poeta espera a primavera...
e o poema baila docemente sobre o prado verdejante, qual borboletas em namoro de amantes.

Juliana Lira disse...

Que saudade dessa poesia tão rica!

Milhões de beijos